Pesquisa:
1
05.10.2009
Movimento Sindical
40 horas aumentará produtividade
Blog 40 Horas
Arte Jaws Digital

Entrevista:

Tadeu Morais, presidente do Dieese e vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes

 
 
Sob a ótica econômica, a redução da jornada também trará benefícios?
Tadeu Morais – Com certeza, sim! A redução da jornada contribui para o aumento da produtividade, já que o trabalhador exercerá seu ofício mais motivado, com mais atenção, concentração e com menos desgaste. A redução de jornada também evita despesa com manutenção e conserto de equipamentos decorrentes da fadiga e do cansaço do trabalhador.

Outro aspecto positivo é a modernização do parque industrial?
Tadeu Morais – Exatamente! Basta considerar que o setor produtivo continua tendo ganhos de produtividade, decorrentes de inovações tecnológicas e organizacionais, mais do que os salários. O câmbio favorece a modernização do parque produtivo das empresas, com a aquisição de máquinas e equipamentos a baixo custo. Já a contratação de pessoal e os aumentos salariais não têm acompanhado o aumento da produção e da produtividade, o que significa mais lucros para as empresas. A jornada de 40 horas é, portanto, uma questão de distribuição de renda e justiça social no País.

Qual é a média de participação do salário nos custos totais de produção?
Tadeu Morais – É inferior a 20%. A redução da jornada representaria menos de 2%, e ocorreria apenas uma vez. Houve desoneração em vários setores da atividade produtiva e redução de tributos com o fim da CPMF, sem redução de preços. Diante disto, as empresas podem perfeitamente arcar com a redução da jornada de 44 para 40 horas semanais. Esperamos que os empresários assumam uma postura mais progressista e deixem de atacar a nossa luta por um Brasil melhor!

Comentar
Nome:
E-mail (opcional):
Comentário: caracteres faltando...
Copie o código ao lado no campo abaixo:
1 comentário para esta mensagem.
O discurso conservador de hoje, dos que são contra a redução da jornada, é o mesmo que dizia que o fim da escravidão iria colocar a economia brasileira em colapso.