Pesquisa:
0
01.03.2010
Movimento Sindical
Metalúrgicos intensificam a luta pelas 40 horas
Blog 40 Horas
Arte Jaws Digital

Foto de Daniel Cardoso

Mobilização em Brasília na luta pelas 40h

Nas últimas quatro semanas, os representantes dos metalúrgicos engrossaram a vigília das centrais sindicais em Brasília com o objetivo de mostrar aos parlamentares no Congresso Nacional a importância da adoção desta medida para a classe trabalhadora e para o País.

Segundo dados do DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), entidade criada pelo movimento sindical e que há 54 anos realiza estudos, pesquisas e análises de temas de interesse dos trabalhadores, com a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, sem redução salarial, é possível a criação de mais de 2,5 milhões de postos de trabalho.

A redução da jornada de trabalho também possibilitará aos trabalhadores dedicar mais tempo para o convívio familiar, o estudo, o lazer e o descanso, melhorando a qualidade de vida deles.

Foto de Daniel Cardoso

Miguel Torres, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, e Clementino Vieira, presidente da CNTM-Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos

“Temos plenas condições para implementar a redução da jornada de trabalho, uma medida que de modo algum trará prejuízos à competitividade das empresas brasileiras, até mesmo porque o custo com salários no Brasil é muito baixo quando comparado com outros países”, afirma Miguel Torres, presidente do Sindicato e vice-presidente da Força Sindical.

Para Clementino Vieira, presidente da CNTM, a mobilização nas fábricas tem sido também muito importante para o debate sobre a importância da redução da jornada e fortalecer a luta.

“O número de desempregados ainda é grande e a proposta, se for aprovada, tem potencial para gerar 2,5 milhões de novos empregos. Além disto, com mais horas livres, a classe trabalhadora terá melhores condições de se qualificar”, afirma Clementino Vieira.

Com a intensificação dos debates na Câmara dos Deputados, os empresários e seus representantes políticos novamente manifestaram posição contrária à proposta. 

O deputado federal Paulinho, presidente da Força Sindical, principal liderança sindical desta mobilização em Brasília, critica as desinformações patronais com relação ao tema. “Os empresários alegam que a redução da jornada de trabalho trará um aumento muito grande no custo total da produção. Isto não é verdade! Com os expressivos ganhos de produtividade, o impacto de uma jornada menor de trabalho será mínimo, isto sem considerar os futuros ganhos de produtividade”, analisa Paulinho.

Foto de Daniel Cardoso

Paulinho, presidente da Força, e Elza Pereira, diretora de finanças do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo

Comentar
Nome:
E-mail (opcional):
Comentário: caracteres faltando...
Copie o código ao lado no campo abaixo:
Nenhum comentário registrado para esta mensagem.